Sexta feira, 13 de agosto de 1982. Na tarde seca de Brasília, o chefe do departamento de operações das reservas internacionais do Banco Central (BC), Carlos Eduardo de Freitas, recebeu um telex de uma agência internacional com a notícia de que o governo do México acabava de decretar a moratória da dívida externa. Com o papel na mão, ele subiu às pressas para a sala do diretor da área internacional do BC, José Carlos Madeira Serrano, abriu a porta e soltou um palavrão: “F…!” O diretor leu o telex e disparou: “PQP! Tenho que avisar o Galvêas!

Leia mais em:

A mãe de todas as crises do Brasil – BS2 Consulting

Deixe uma resposta