0 Postado por: Angela Bittencourt Seção:Crise financeira

Os alertas das agências de rating e de reguladores dos mercados sobre os riscos oferecidos atualmente pelas dívidas soberanas europeias já repercutem. A Nomura Holdings, uma das maiores corretoras do mundo, começou a reduzir sua exposição a riscos na região. 

Em menos de dois meses, informam agências internacionais de notícias, a instituição cortou em US$ 467 milhões ou em 83% os ativos italianos em carteira. As aplicações em papéis espanhóis foram reduzidas em 62%. E a carteira de títulos da Grécia encolheu 43%.

A desalavancagem não é prerrogativa da Nomura. Outras instituições seguem semelhante receita para evitar contabilização de perdas. Mas a corretora japonesa é um bom exemplo. No terceiro trimestre, a instituição reportou prejuízo equivalente a US$ 593 milhões em operações com ativos estrangeiros – primeiro resultado negativo em mais de dois anos.

(Valor)

Deixe uma resposta