recursos investimentos fundos 1

Recursos Investimentos Estudos

Recursos Investimentos Estudos Detalhados:

Atuando junto à Instituições Financeiras, preparamos estudos detalhados para aportar recursos, via crédito, investimentos, financiamentos, BNDES e operações estruturadas. (Fundraising)

Operações de aporte de recursos e investimentos, via venture capital.


Busca de investidores para participação.

Programas de apoio ao desenvolvimento

Dependendo do valor do empréstimo, uma opção interessante é a linha de crédito do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), que possui juros mais baixos. Vale a pena pesquisar mais sobre essa possibilidade. Há também recursos da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), que realiza investimentos em empresas de base tecnológica através de vários programas. É importante conhecer as possibilidades oferecidas e avaliar se o negócio cumpre as exigências.

Financiamento colaborativo

Destinado normalmente a projetos relacionados a arte e cultura. Através de algumas plataformas especializadas, o empreendedor consegue doações, sem a necessidade de transferir parte do seu negócio e paga apenas uma taxa ao administrador do site.

Incubadoras e aceleradoras de empresas

A principal diferença está no modelo de negócio. A incubadora normalmente não tem fins lucrativos e é mantida por instituições públicas, buscando recursos de órgãos púbicos para incentivar os projetos. A aceleradora é uma instituição privada, com fins lucrativos e é administrada por investidores que negociam a venda de ações da empresa acelerada, ou seja, o lucro da aceleradora está totalmente relacionado ao sucesso do negócio.
Recomendamos para você:  Entenda por que criar um fundo de reserva pode salvar seu negócio

Sócio investidor

Nesse caso, o empreendedor estabelece de fato uma sociedade, transfere uma parte do negócio a um investidor e os resultados são repartidos. Basicamente existem dois tipos de sócio investidor: o primeiro, investe seu capital, esperando apenas o retorno financeiro do empreendimento; e o segundo, que também atua na gestão da empresa. Hoje, uma forte tendência é a utilização de Capital de Risco. Neste modelo, Fundos de Capital e Investidores-anjo investem em novas empresas, comprando participação e assumindo responsabilidades na administração do negócio.É uma boa alternativa para empreendedores inexperientes, já que contam com o capital e com a conhecimento dos investidores. Porém, é importante ressaltar que esses investimentos estão focados em projetos sólidos e estruturados, inovadores e com potencial de crescimento.A cada dia surgem novas alternativas para captação de recursos no mercado, e assim, bons projetos dão origem a empresas de sucesso. Porém, o primeiro passo é elaborar um plano de negócios detalhado, fundamental para a apresentação aos possíveis investidores e para a gestão financeira da empresa.

Desaceleração econômica faz empresas adiarem investimentos

Número se refere apenas a projetos suspensos ou postergados nos últimos dois meses; só na Petrobrás, essa cifra é de quase US$ 70 bi

12 de agosto de 2012 | 22h 59
Mariana Durão e Mônica Ciarelli, de O Estado de S.Paulo

RIO – Nos últimos dois meses, pelo menos US$ 95 bilhões em investimentos no Brasil foram suspensos ou tiveram seus cronogramas de entrada em operação postergados. A lista inclui companhias como Anglo American, Vale, Braskem, JAC Motors e, principalmente, a Petrobrás.

Exauriu a expansão pelo consumo

Expansão pelo consumo

Por Claudia Safatle (Valor)

O grande motor da retomada do crescimento interno após a crise global de 2008 foi a expansão do crédito, puxada pelos bancos públicos, que sustentou o aumento do consumo e transformou recessão em crescimento num curto espaço de tempo. O crédito, que representava 38,4% do Produto Interno Buto (PIB) em agosto de 2008, antes da quebra do Lehmann Brothers, saltou para 49,1% do PIB em dezembro do ano passado.