A tecnologia está ajudando os portos a otimizar suas operações. A indústria portuária está enfrentando uma série de desafios emergentes, incluindo o crescimento do tráfego de carga, aumento da pressão para lidar com questões ambientais, desafios operacionais e, por último, mas não menos importante, a contínua interrupção induzida pela pandemia. Para superar esses desafios, os operadores portuários estão cada vez mais se voltando para a tecnologia.

De acordo com um novo relatório da KPMG , intitulado ‘Ancorado na nova realidade’, seis tecnologias diferentes estão emergindo como capacitadores-chave de operações e percepções mais eficientes:

A Internet das Coisas (IoT) pode ser considerada a pedra angular de uma transformação tecnológica mais ampla devido à clara necessidade de digitalizar o processo de entrega para monitorar cargas e entregas com o auxílio de sensores inteligentes.

sobre-nós bs2 consulting

O porto de Hamburgo, o terceiro porto mais movimentado da Europa, iniciou um programa estratégico em 2011 para evoluir para um “porto inteligente” para otimizar a capacidade e maximizar a eficiência. Isso foi alcançado por meio da adoção da tecnologia IoT no ecossistema portuário por meio da instalação de sensores para monitorar o uso de ativos físicos (por exemplo, caminhões, guindastes, transportadoras, estradas, armazéns, etc.), usando GPS e georreferenciamento para monitorar o movimento de tráfego.

A tecnologia Blockchain tem o potencial de digitalizar cadeias de suprimentos, eliminar esforços de manutenção de registros, promover transações sem papel e simplificar as cadeias de suprimentos, permitindo a comunicação em tempo real. Em 2017, o porto de Antuérpia anunciou um projeto piloto para um manuseio de contêineres mais eficiente e seguro, aproveitando a tecnologia blockchain em colaboração com a NxtPort. A plataforma de utilitário de dados em desenvolvimento irá coletar e agrupar dados de várias fases da cadeia de abastecimento do Porto de Antuérpia.

Os drones estão rapidamente se tornando uma ferramenta regular no setor de portos e logística. Os portos estão usando drones em seu monitoramento de rotina para melhorar a segurança, reduzir custos e aumentar a eficiência do processo. Em todo o mundo, da Holanda ao Vietnã, os portos estão usando drones de aerobótica para controlar o transporte de carga aérea, monitorar navios, limpar o meio ambiente local e rastrear a construção de portos.

O sistema High Bay Storage (HBS) é um sistema automatizado de manuseio de contêineres que empilha contêineres de até 11 andares de altura, entregando mais de três vezes a capacidade de um pátio convencional com desempenho aprimorado, incluindo ganhos significativos na velocidade de manuseio, eficiência energética, segurança e operação reduzida custos.

A DP World iniciou recentemente sua fase piloto de BoxBay (um sistema de armazenamento de alto nível) para reduzir em pelo menos 70% a área de terra necessária para apoiar as operações do terminal e aumentar a produção anual de jardas por hectare em mais de 300% em comparação com um Rubber Pátio de contêineres do guindaste de pórtico (RTG).

Os aplicativos de dados e análises estão permitindo que as cadeias de suprimentos adotem uma resposta proativa, em vez de reativa, aos riscos da cadeia de suprimentos. A Autoridade Marítima e Portuária (MPA) de Cingapura estabeleceu uma ferramenta de previsão de tráfego habilitada para dados para prever os tempos de chegada de navios e estimar o congestionamento de tráfego potencial usando análises preditivas.

O porto de Hamburgo, na Alemanha, usa análises para agregar vários pontos de dados (ou seja, posições da embarcação, altura e largura das pontes, etc.) para otimizar as operações portuárias internas.

Além disso, as portas inteligentes estão aproveitando outras tecnologias, como inteligência artificial (IA) para aprimorar insights preditivos e computação em nuvem, gerenciamento de dados e compartilhamento de dados entre várias partes interessadas. A automação robótica de processos (RPA) está sendo aproveitada para automatizar processos em várias funções de suporte, como finanças, recursos humanos e gerenciamento da cadeia de suprimentos.

As plataformas de intercâmbio digital estão sendo rapidamente implantadas pelos principais portos na última década. Essas plataformas digitalizam toda a cadeia de suprimentos de logística, criando um mercado para vários subsegmentos do mercado. Em 2020, a DP World adquiriu a SeaRates.com, uma plataforma digital que permite aos clientes transportar cargas em todo o mundo com o clique de um mouse.

A DP World também criou a Digital Freight Alliance, uma associação online que reúne despachantes de carga globalmente em uma plataforma, dando-lhes acesso a novas ferramentas, rotas e serviços, e permitindo que façam mais negócios a qualquer momento.

Fonte: Consultancy.eu